Registo

Aparência Geral

De forma delgada, o corpo encaixa-se num quadrado.
Embora de tamanho pequeno, caracteriza integralmente um lebréu miniatura; o protótipo de refinamento e elegância. Pode ser considerado um modelo de graça e distinção.

Cabeça

De forma alongada e estreita.

Crânio

Plano com os eixos superiores do crânio e do focinho paralelos. O comprimento do crânio é igual a metade do comprimento da cabeça, que tem os lados ligeiramente arredondados. Região sub-orbital bem cinzelada. Os músculos da cabeça não devem apresentar uma aparência pesada. Arcadas superciliares marcadas. Occipital não proeminente. Sulco mediano apenas ligeiramente marcado.

Stop

Depressão nasal frontal levemente marcada.

Trufa

De cor escura, de preferência preta, com narinas bem abertas.

Chanfro

Cónico.

Lábios

Finos e aderentes, com as bordas pigmentadas e bem escuras.

Maxilas e Dentes

Maxilar alongado e incisivos bem alinhados em forma de coroa, fortes em relação ao tamanho do cão. Dentes saudáveis e completos, inseridos perpendicularmente ao maxilar; mordedura em tesoura.

Faces

Secas.

Olhos

Grandes, arredondados e expressivos, posicionados sub-frontalmente, nem profundos nem salientes. Íris de cor escura; borda das pálpebras pigmentadas.

Orelhas

Inseridas muito altas, pequenas, com cartilagem fina. Dobradas sobre si mesmas e portadas bem para trás da nuca e na parte superior do pescoço. Quando o cão está atento, a base da orelha é erecta e o seu lóbulo tende a projectar-se lateralmente na horizontal, posição vulgarmente chamada de “orelhas voadoras” ou “orelhas em hélice”.

Pescoço

A nuca é ligeiramente arqueada e quebrada na base do garrote. A linha do pescoço é levemente convexa. O pescoço é de comprimento igual ao da cabeça, com a forma de um cone truncado, bem musculado. Pele magra e sem barbela.

Tronco

O comprimento é igual ou ligeiramente inferior à altura no garrote.

Dorso

Recto e bem musculado.

Linha Superior

De perfil, recta com a região dorso-lombar ligeiramente arqueada. A curva lombar funde-se harmoniosamente na linha da garupa.

Garrote

Muito bem definido com a ponta dos ombros posicionados bem próximos.

Garupa

Muito inclinada, larga e musculada.

Linha inferior e ventre

O arco esternal muito curto é acentuado e eleva-se suavemente para o ventre.

Peito

Estreito, sólido, mas de construção elegante, com costelas ligeiramente arqueadas. Profundo, descido até aos cotovelos.

Cauda

Inserção baixa, fina, mesmo na base, estreitando progressivamente para a ponta. Portada baixa e recta na sua primeira metade; a segunda metade é curvada. Esticada, deve chegar ao topo do jarrete. Coberta com pêlo curto.

Membros Anteriores

No conjunto, são rectos e verticais, com musculatura seca.

Braços

Com um ângulo escápulo-umeral muito aberto paralelo ao plano mediano do corpo. Os braços são ligeiramente mais longos que as escápulas.

Cotovelos

Não virando nem para dentro nem para fora.

Ombros

Ligeiramente oblíquos com músculos bem desenvolvidos, longos, esguios e salientes.

Antebraços

Rectos. Estrutura óssea refinada, plana e esguia; posição perfeita paralela, visto tanto de frente como de perfil. Sulco bem evidente do carpo ao cotovelo. O comprimento medido do solo ao cotovelo é ligeiramente mais longo que a distância do cotovelo ao garrote.

Metacarpos

Secos. Vistos de perfil, são ligeiramente oblíquos.

Mãos

De forma quase oval, pequenas, com dedos arqueados e bem fechados.
Almofadas não volumosas, pigmentadas. Unhas pretas ou escuras de acordo com a cor da pelagem ou a cor das patas, onde o branco é tolerado.

Membros Posteriores

Bem angulados. Vistos de trás, no seu conjunto, são rectos e paralelos.

Coxas

Longas, esguias, não volumosas e com músculos distintos.

Pernas

Muito inclinadas, com uma estrutura óssea refinada e com sulco aparente entre os músculos da perna. São um pouco mais compridas que a parte posterior da coxa.

Metatarsos

Vistos de trás, devem ser paralelos.

Pés

Menos ovais do que as mãos, com dedos arqueados e bem fechados; almofadas não volumosas e unhas pigmentadas como nas mãos.

Movimento

Elástico, harmonioso; trote ligeiramente elevado, cobrindo o solo. Isto significa que, os membros anteriores devem-se mover para a frente, com bom alcance e com os metacarpos ligeiramente levantados e dobrados. Galope rápido, com um forte arranque.

Pelagem

Pêlo

É curto, sedoso e fino sobre todo o corpo, sem o mínimo indício de franjas.

Cores

Unicolor preto, cinza e isabela (amarelo pálido / bege), com todos os tons possíveis. Branco é tolerado apenas nas patas e no peito.

Pele

Fina e firme sobre todas as partes do corpo, excepto nos cotovelos, onde a pele é ligeiramente menos aderente.

Dimensões

Proporções importantes

O comprimento é igual ou inferior à altura no garrote. O comprimento do crânio é igual a metade do comprimento da cabeça. O comprimento da cabeça pode atingir 40% da altura no garrote.

Altura ao garrote

Machos e fêmeas: 32 a 38 cm.

Peso

Machos e fêmeas: máximo 5 kg.

Comportamento

 Vivo, afectuoso e dócil.

Faltas

Qualquer desvio em relação ao estalão deve ser considerado como um defeito que será penalizado em função da sua gravidade e das suas consequências na saúde e bem-estar do cão.

  • Passo de camelo continuado.
  • Movimento alto com os anteriores.
  • Movimento próximo do solo, com passos curtos.

Faltas eliminatórias

  • Agressividade ou timidez excessiva.
  • Todo o cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.
  • Acentuada convergência ou divergência dos eixos crânio-faciais.
  • Trufa totalmente ou parcialmente despigmentada.
  • Cana nasal côncava ou convexa.
  • Mordedura prognata superior ou inferior.
  • Olhos porcelanizados; total despigmentação das pálpebras.
  • Cauda portada sobre o dorso; sem cauda ou cauda curta, tanto a congênita quanto a artificial.
  • Ergôs.
  • Pelagem de diversas cores; excepto o branco no peito e patas como mencionado acima.
  • Tamanho abaixo de 32 cm ou acima de 38 cm, tanto nos machos como nas fêmeas.
  • Mordedura prognata superior.(excluídos da reprodução)
  • Criptorquidismo; monorquidismo (unilateral). (excluídos da reprodução)

Resumo Histórico

O pequeno galgo Italiano descende dos pequenos lébreis que já existiam no antigo Egito na corte dos Faraós.
Passando pela Lacónia (Grécia), onde inúmeras representações em vasos e tigelas confirmaram que a raça chegou à Itália no início do século V A.C. O maior desenvolvimento ocorreu durante a era do Renascimento na corte dos nobres. Não é raro achar o Pequeno galgo Italiano representado em pinturas dos maiores mestres italianos e estrangeiros.

Outros

Utilização

Cão de corrida.

Provas de trabalho

Não

Nota

Os machos devem apresentar dois testículos de aparência normal, bem descidos no escroto.

Número do estalão 200

Data de publicação do estalão de origem em vigor 13 Outubro 2010

Data da última revisão Doglink 6 Março 2013

Traduzido por Doglink

Fonte Fédération Cynologique Internationale