Registo

GrupoGrupo 6 - Sabujos e afins

Secção do grupoSecção 1 - Cães de rasto

País de origemGrã-Bretanha

Data de origemXIV

Primeira utilidadeCaçar de coelhos e lebres

Características principaisActivo e amigável

TamanhoPequeno, Médio

Altura33 - 40 cm

PelagemCurta

Esperança média de vida15 anos

Nivel energéticoElevado

Nível de brincadeiraMédio

Nível de afectoElevado

Exercício necessárioMédio

Experiência do dono com cãesBaixo

Cuidados com a pelagemBaixo

Foto Beagle

Sabia que

Durante o reinado da Rainha Elisabete I existiram Beagles que eram suficientemente pequenos para serem transportados num bolso (sendo apelidados de Pocket Beagles). Mas como muitas outras raças, o estalão do Beagle evoluiu para um cão de maiores dimensões.

O Beagle tem fãs em todo o mundo não só por ter um faro aguçado mas também por ter um temperamento amigável e afectuoso. As suas aptidões vão desde caçador de lebres passando por farejador de substâncias ilegais até excepcional companheiro de família.

Criado durante anos para caçar, quase que se pode dizer que a cabeça do Beagle é controlada pelo seu nariz. De facto, esta é a característica mais evidente da raça. Quando o Beagle sente algo que lhe interessa, segue a pista sem pensar em mais nada –  comportamento que o pode colocar em situações muito perigosas. Tenha por isso cuidado quando o for passear e antes de o soltar certifique-se que o espaço está vedado (consulte os parques caninos existentes na sua zona).

Treinar um Beagle não é tarefa muito complicada, especialmente porque ele adora comer e não há nada que não faça por um bocadinho de comida. Aplique por isso o treino por recompensa. Mas não abuse das recompensas, ou melhor, se lhe der muitas recompensas certifique-se que compensa com mais exercício porque o grande apetite do Beagle pode fazer com que desenvolva obesidade.

Por natureza o Beagle é bastante activo (principalmente os das linhagens de caça) e, por isso, é necessário exercício diário para que este possa libertar toda a sua energia. Quebre a rotina, estimule a sua mente: ele vai adorar! Um Beagle aborrecido pode tornar-se destrutivo e transformar a vida dos seus vizinhos num pesadelo, já que é um cão com tendência para verbalizar o que sente. O ladrar característico da raça está ainda mais pronunciado nas linhagens de caça.

O Beagle é um cão de matilha não só quando está a realizar trabalho mas também no dia-a-dia com a sua família. Adapta-se particularmente bem a famílias activas com crianças pois é muito tolerante às suas traquinices e adora as suas brincadeiras. O Beagle também é um óptimo companheiro para seniores que gostem de dar grandes caminhadas e que não se importem que este pare de vez em quando para cheirar pistas ocultas. Com outros cães é sociável não sendo egoísta ao ponto de não conseguir partilhar o seu dono. No entanto, outros animais mais pequenos podem despertar o seu instinto de caça.

É importante também saber que apesar da raça Beagle ser relativamente antiga, há uma doença genética que ainda atormenta a raça: o MLS, síndroma de Muladin-Leuke. Esta doença afecta os músculos dos cães causando deformações nas pernas, cabeça ou em todo o corpo. Muitos cães afectados por esta síndrome movimentam-se com as pontas dos pés, tal como as bailarinas. Mas há cães que transportam o gene e que, no entanto, não manifestam a doença, já que o gene MLS é recessivo. Agora, se dois reprodutores, ambos com uma só cópia do gene acasalarem, os filhotes poderão vir a possuir as duas cópias do gene e serem visivelmente afectados pela doença. Por isso mesmo, é importante que o criador se certifique que os reprodutores estão livres da doença.

Infelizmente, devido ao tamanho pequeno e comportamento amigável, dócil, bondoso, não agressivo, tornou-se na raça de cães mais utilizada em experiências laboratoriais. Estes animais são vendidos por criadores comerciais que sabem que ao entregar estes animais a laboratórios, estão a condenar os mesmos a uma vida de prisão cheia de dor e sofrimento.