Registo
Foto Cães de luta passam mensagem de esperança

Em 2007, um dos melhores jogadores dos Atlanta Falcons (futebal americano), Michael Vick, foi condenado e multado por participar e organizar lutas de cães. Após cumprir a sua pena em prisão domiciliária e ter de pago 1 milhão de dólares para cuidar e reabilitar os seus cães, Vick tornou-se num orador da Human Society contra as lutas de cães.

Este caso foi bastante mediático não só pelo facto do culpado ser uma figura pública mas porque muitas pessoas defendiam que os cães de luta deveriam ser abatidos devido à sua natureza violenta e instinto de assassino.

Contra todo o cepticismo, várias associações de protecção animal como a Best Friends Animal Sanctuary lutaram para que lhes fosse dada uma segunda oportunidade. Esta associação ficou com vinte e dois cães e propôs-se a reabilitá-los ao ponto de poderem ser integrados em famílias e viverem uma vida normal.

Quase 7 anos depois, os cães de Vicktory são um exemplo de recuperação, reabilitação e esperança.

1. Cherry

O Cherry passou de um cão que “dormia sempre com um olho aberto” a um cão carinhoso que participa em eventos e espalha a mensagem que os cães que sofreram abusos podem ser tanto ou mais carinhosos quanto os que tiveram tudo na vida. Apesar de ter sido um cão criado e ensinado para lutar, hoje ele quer fazer tudo menos isso. Prefere aninhar-se no colo da sua família – incluindo na sua irmã canina e no gato de lá de casa.

Mais sobre a Cherry aqui.

Georgia

Um das coisas que mais surpreendeu Amy, a dona da Georgia, foi o quão rapidamente esta se adaptou à família. Georgia adorava fazer caminhadas e ensinou a Amy o poder do perdão, amor e como confiar outra vez. Georgia faleceu em 2013.

Mais sobre a Georgia aqui.

Halle

A história de Halle também é um exemplo de como ninguém deve abdicar de um cão só por causa do seu passado. Hoje em dia Halle vive com mais dois cães e brinca constantemente com eles. Um deles até sobe para cima dela e morde-lhe as pernas traseiras na brincadeira – ela nunca se chateou, nem uma única vez! Sempre que ela vê um cão a sua cauda abana e até faz cortesias para iniciar a brincadeira.

Mais sobre a Halle aqui.

Handsome Dan

Quando o Handsome Dan foi resgatado da casa de Michael Vick estava muito assustado e medroso. À medida que foi crescendo foi ganhando confiança. Em 2010, quando a sua família teve um bebé, o Handsome Dan, como muitos pitbulls, tornou-se o perfeito cão babysiter. Hoje em dia, ele até tem até a sua própria página de facebook!

Mais sobre o Handsome Dan aqui.

Little Red

Nos cinco anos que a Little Red passou em casa de Michael Vick, esta era usada como cão “isco”. Os cães “isco” são animais usados para testar as habilidades de luta dos cães, sendo normalmente maltratados e morrendo no processo de selecção. A nova dona da Little Red nunca pensou em desistir desta cadela mas sentiaque ela precisava apenas de tempo para recuperar. Depois de ter sido resgatada, a Little Red tem agora uma vida cheia de recompensas e vive em liberdade na herdade da família!

Mais sobre a Little Red aqui.

Oliver

A coisa que mais surpreendeu os donos adoptivos de Oliver foi o quanto ele estava aberto a receber o seu amor. Apesar da avaliação inicial do seu carácter ter sido “extremamente medroso em relação a pessoas”, o Oliver não demonstrou quaisquer receios no seu novo lar bem como na vizinhança. O Oliver saltava para cima da sua dona e enchia-a de lambidelas. Em 2009, Oliver morreu de cancro nos braços da sua dona.

Mais sobre o Oliver aqui.

Squeaker

Não há quem não conheça a Squeaker e pergunte: “Como é que um cão de luta pode ser tão doce?”. Apesar do início da sua vida ter envolvido interacções violentas com cães, hoje em dia Squeaker vive com a sua família adoptiva que tem uma matilha de 7 cães.

Mais sobre a Squeaker aqui.

Mel

Em 2007, o dono da Mel, Richard Hunter, era locutor de um programa de radio em Dallas. Depois de reportar o caso dos cães de Michael Vick, Richard, Richard ficou emocionalmente preso a esta história. Quando surgiu a oportunidade de adoptar um dos cães Richard resolver adoptar Mel, uma cadelinha muito medrosa.  Hoje em dia Mel continua a recuperar, viaja de carro e adora partilhar o sofá com Richard.

Mais sobre a Mel aqui.

Oscar

Apesar de adorar Pit Bulls, a dona de Oscar, Rachel, nunca pensou em adoptar um. Depois que o Oscar entrou na sua vida, Rachel sente que mais do que adoptar um cão, ela passou a fazer parte da história da família dos cães de Vicktory. “Todas as pessoas que adoptaram estes cães mantém contactos, trocam conselhos e espalham a mensagem de amor incondicional, perdão e compreensão que estes cães carregam consigo”.

Mais sobre o Oscar aqui.

Fonte: Best Friends, St George News