Registo
Foto Amazon UK deixa de vender coleiras de castigo

Decorreu uma petição na internet e no facebook a pressionar a Amazon do Reino Unido (amazon.co.uk) para deixar de vender coleiras de castigo com grampos ou prong collars, em inglês. Perante esta iniciativa, na semana passada, a Amazon UK retirou todos estes produtos do seu website. Esta semana a Amazon US seguiu o mesmo exemplo.

Muitos donos dizem que estes colares fazem maravilhas para educar cães que não se sabem comportar durante os passeios. Outros defendem que estas coleiras não são para todas as situações, mas funcionam bem durante os treinos e passeios. Há ainda aqueles que dizem que o cão simplesmente “responde melhor”...

Pelo contrário, os que criticam esta tortura medieval argumentam que o reforço positivo é a melhor maneira de treinar os cães (bem como psicologistas e treinadores conceituados) e que os prong collars já deveriam ter desaparecido do mercado há muito tempo.

O tipo de castigo (grampos ou choques que causam dor) é muito menos eficiente que o reforço positivo (recompensa, atenção). Os castigos eliminam momentaneamente os comportamentos indesejáveis e podem fazer com que os animais fiquem feridos. Infelizmente, há ainda muitos donos que não têm qualquer remorso em ferir os seus cães para que estes aprendam.

Os cães que usam prong collars e puxam durante o passeio acabam por ficar feridos no pescoço. Além das feridas externas, os ferimentos contínuos na garganta podem também causar feridas internas afectando a capacidade do cão em respirar e engolir bem como danificar as suas vertebras.

Para os donos que dizem que os seus cães nunca ficaram feridos e que estas coleiras representam a única solução para educar o seu cão, perguntamos: “Usaria um prong collar para educar os seus filhos?”. Pense nisso.

Fonte: lifewithdogs